Você está aqui

Heleyne Garcia, inesquecível e ás coincidências dos 14

Enviado por murilo em ter, 09/03/2019 - 20:51

*Heleyne nasceu em 14 de dezembro de 1972, às 14h. Desencarnou em 14 de janeiro de 1987,às 14h, e seu relógio parou às 14h, depois de 14 dias.  Viveu 14 anos , A placa do carro do pai dela era 1414. A mobilete que conduzia, 1401.
 
Na vida há pessoas queridas que nunca são esquecidas. Os momentos inapagáveis que sempre são guardados no coração. Aquilo que um dia nos marcou não pode ser esquecido, ainda mais quando surgem tantas coincidências maravilhosas a ponto de se tornar claro que se tratam de sinais, presságios, marcas deixadas nas trilhas do tempo para que possamos acompanhar aquilo que nos traz a lembrança.
 
A doutrina espírita explica essa situação, apontando que na face da Terra uma alma gravita na direção do outro, estabelecendo uma relação de interdependência, de necessidades.
 
Emmanuel lembra-nos que, “antes do berço, quase sempre, conhece a alma humana, plenamente desperta, grande parte dos compromissos que lhe induzem o coração a mergulhar nas forças do plano físico".
E no decorrer de nossa jornada terrena, sucedem-se situações que traduzirão na prática o planejamento feito na esfera espiritual: assim se formam os grupos familiares que retornam juntos para novas experiências muitas e muitas vezes. E diante dos grandes acontecimentos de nossa existência, aprendemos que é no recesso do lar, na intimidade do nosso coração e junto aos entes que amamos, no altar nobre dos nossos sentimentos mais elevados, que devemos cultuar a Deus.
Principalmente nos momentos dolorosos, quando se faz necessária a partida de nossos queridos, como é o caso da jovem Heleyne Cristina Garcia Corrêa, que certamente atendendo à programação feita, retornou tão cedo ao plano espiritual, vítima de um acidente ao pilotar uma motocicleta de baixa cilindrada, em 1987. Um fato relacionado à passagem de Heleyne por esse plano espiritual é a freqüência com que o número 14 aparece nos principais acontecimentos da sua curta encarnação.
Filha de Luiz Correa da Silveira Filho e Elzi Terezinha Garcia Correa, nasceu em 14 de dezembro de 1972, às 14h. Desencarnou em 14 de janeiro de 1987, às 14h, e seu relógio parou às 14h, depois de 14 dias. A família morava em uma casa com o número 1401 (vejam a relação com a data do seu falecimento). A placa do carro do pai dela era 1414. A mobilete que conduzia, 1401.
Seu avô materno, pecuarista Tadeu Garcia Leal, ao qual Heleyne era muito ligada, faleceu dia 14 de dezembro, dia do aniversário dela.
Sua avó, dona Laura Ferreira Leal, faleceu com 14 dias internada no Hospital Nossa Senhora Auxiliadora. A outra avó, Auriela Barbosa Correa, faleceu às 14h, também no hospital.
Seu tio, Pedro Rubira, também faleceu às 14 h. Há ainda muitas outras vezes em que o número 14 circunda essa família. Pesquisando esse fato, encontramos outro muito interessante, como podemos observar aqui: na genealogia de Jesus Cristo (Mateus 1: 1-17), foram 14 as gerações de Abraão até David, e deste até o desterro para a Babilônia mais 14, e desta até Jesus, mais 14.
Heleyne retornou à Pátria Espiritual, depois de ter vivido aqui 14 anos; e um mês depois, seus pais foram a Uberaba, onde receberam a primeira mensagem dela pelo médium Chico Xavier, que conversando com Luizinho e Elzi antes da reunião, disse lhes: “A Heleyne está aqui.”
Posteriormente, receberam várias mensagens através do médium Celso de Almeida Afonso, o que perdurou por muitos anos, até o falecimento do médium, em 26 de fevereiro de 2013
Desde a primeira mensagem da Heleyne, Luizinho e Elzi se dedicam com afinco à divulgação da Doutrina Espírita, vivenciando realmente seus ensinamentos, oferecendo o socorro material e o espiritual a todos os necessitados.
Foi a maneira que encontraram para suportar a dor causada pela separação física da querida filha. E com isso, proporcionam grande satisfação à Heleyne, como pode ser observado em suas cartas aos pais, demonstrando sempre imensa gratidão pelo trabalho deles, assim como, incentivando a continuidade desse abençoado trabalho.

Da Redação