Você está aqui

Orlando Baez uma vida dedicada com amor

Enviado por murilo em qua, 04/17/2019 - 14:16

Desencarnou re­centemente em Cam­po Grande, Capital do Mato Grosso do Sul, no Hospital da Unimed, o engenhei­ro agrônomo Orlando Baez, filho de uma fa­mília simples e humil­de. Corintiano apai­xonado, maçon, sua mãe morreu quando ele era menino.

O pai foi o ferro­viário Artenio Baez, que faleceu quando Orlando era criança, ficando na Terra ele, mais três irmãos. Su­perintendente do Mi­nistério da Agricul­tura, Orlando Baez estava feliz, pois tinha se aposentado no fi­nal de 2018.

Baez trabalhou desde pequeno para manter o seu estudo. O irmão Silvio, cha­veiro, foi quem lide­rou a família e ajudou a criá-los. Superin­tendente do Minis­tério da Agricultura, Orlando Baez esta­va feliz, pois tinha se aposentado no final de 2018.

Baez dedicou a sua vida a Três Lagoas, que era a sua gran­de paixão. Quando lhe perguntavam de onde que ele era, ele orgulhosamente res­pondia: “Eu sou de Três Lagoas”. Ele che­gou a ser destacado pelo então saudoso senador Ramez Te­bet, que dizia: “Este menino é orgulho da nossa Terra”.
Orlando Baez foi mascote da Banda Marcial Cristo Re­dentor, chegou, com a banda, a participar, na época, do progra­ma de televisão Al­moço com as Estrelas, apresentado pelo ca­sal Airton Rodrigues e Lolita Rodrigues.

O velório acon­teceu em Campo Grande, capital de Mato Grosso do Sul. Na ocasião, o jorna­lista Luiz Corrêa da Silveira Filho levou uma palavra de con­forto, junto com seu filho Luiz Adriano. O povo de Três Lagoas foi às lágrimas, quan­do soube da desen­carnação de Orlando Baez.

Na homenagem, Luizinho lembrou de seu amigo Chico Xa­vier, sobre quem Or­lando Baez gostava de ouvir as histórias re­ferentes ao médium.

Uma grande multi­dão estava presente na última homenagem a Orlando Baez, aqui na Terra, ele que foi o exemplo do Homem de Bem, explicado no item 3 do capítulo 17 (Sede Perfeitos) de O Evangelho Segun­do o Espiritismo, ou seja, o homem que cumpre a lei de justi­ça, de amor e de ca­ridade, na sua maior pureza; que tem fé no futuro; que é possuí­do do sentimento de caridade e de amor ao próximo; que faz o bem pelo bem, sem esperar paga algu­ma; que respeita nos outros todas as con­vicções sinceras; que não alimenta ódio, nem rancor, nem de­sejo de vingança; que é indulgente para as fraquezas humanas; que respeita todos os direitos do semelhan­tes.

Enfim, o Homem de Bem, como foi Or­lando Baez, é o exem­plo do Bom Espírita, que o item 4 do capí­tulo citado diz que é aquele que pode ser qualificado de espírita.

Da Redação